BLOG.png
  • QU4RTO STUDIO

Ângulos de câmera no audiovisual


Já contamos aqui no blog o que faz o diretor de fotografia. Em resumo, ele é o responsável por toda a parte técnica-visual de uma produção, como luz, equipamentos, enquadramentos e por aí vai. Entre as suas tarefas, se inclui a de definir os ângulos das cenas filmadas.


Mas, o que é o ângulo?


Na matemática, o ângulo refere ao valor da inclinação entre dois segmentos de reta. No audiovisual, essa definição é bem próxima no que diz respeito a inclinação. Aqui, o ângulo define o nivelamento da câmera na cena.





Neste post vamos mostrar para você sobre alguns dos diferentes ângulos de câmera e sua aplicação no cinema!


Antes de qualquer coisa, o diretor de fotografia vai definir, para determinada cena, qual o enquadramento do objeto a ser filmado e, a partir daí, decidir o ângulo que a câmera deve se posicionar.


Cada escolha da fotografia pretende passar uma ideia diferente. Como falamos dos efeitos psicológicos das cores, também há um efeito psicológico da visão sobre um objeto. Por exemplo, a visão de baixo para cima pode fazer com que o assunto da cena pareça maior, dando ideia de grandiosidade.


Para começar a classificar os ângulos é importante saber que consideramos dois eixos principais no posicionamento de câmera: horizontal e vertical, ou x e y, como é visto na imagem abaixo.



Ângulos do eixo vertical


A) Câmera Zenital ou Plongée Absoluto



Nesse tipo de enquadramento, a câmera está a 90º do objeto. Assim, focaliza o sujeito a ser observado, como por exemplo automóveis em movimento ou objetos geométricos. Essa escolha ajuda a criar uma cena de composição, além de ser ligada a ideia de inferioridade daquilo que é representado.


B) Ângulo alto (Plongée ou Bird’s Eye View)


Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas (2003)

É quando a câmera está posicionada em um ângulo mais alto da cena e enquadra o objeto de cima para baixo. Esse tipo de ângulo, assim como o Plongée Absoluto, ajuda a criar uma sensação de inferioridade ou diminuição do que é representado. Na cena de "Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas" (2003), por exemplo, esse ângulo faz com que os personagens pareçam pequenos perto da quantidade de flores ao redor, sensação que é ampliada pela escolha da fotografia.


C) Ângulo normal


A Chegada (2016)

É o ângulo que está a 90º graus do eixo y, sem inclinação em relação ao objeto. É um ângulo clássico, utilizado na maior parte dos filmes.


D) Ângulo baixo (Contra-Plongée ou Worm’s Eye View)


Ferrugem e Osso (2012)


Esse é o ângulo que faz oposição ao Plongée, já que, ao invés de filmar de cima para baixo, o faz de baixo para cima. Além disso, seus efeitos também são contrários, nesse caso a escolha tende a valorizar o tamanho do objeto, sua grandiosidade ou superioridade.


E) Câmera Contra-Zenital ou Contra-Plongeé Absoluto


X-Men 2 (2003)


É quando a câmera está no contrário extremo do Zenital, ou seja, retrata o objeto a 90º de baixo para cima.



Ângulos do eixo horizontal


A) Ângulo frontal


Corra! (2017)

São enquadramentos nos quais o personagem ou objeto foco da cena estão diretamente de frente para a câmera, sem nenhuma inclinação lateral. É um ângulo que valoriza as expressões e sentimentos das personagens, por dar uma visão completa das feições, gerando mais empatia.


B) Ângulo ¾


O Abutre (2014)

É o ângulo que se encontra entre o frontal e o lateral. Muito usado em cenas com mais de uma pessoa, como diálogos por exemplo, pois dá a ideia de que há algo além da câmera para onde a personagem olha. Nessa cena de “O Abutre” (2014), essa escolha apoia o olhar do personagem de Gyllenhaal, que parece olhar para algo muito além da câmera.


C) Ângulo lateral


Garota Exemplar (2014)

Seja no lado esquerdo ou direito, o ângulo lateral é o que retrata a personagem ou as personagens de perfil. Nesse caso, diferente do ângulo frontal, as expressões de quem é retratado são menos evidentes e é uma ótima maneira de mostrar mais de uma personagem no mesmo enquadramento durante um diálogo.


D) Ângulo ¼


Moonlight: Sob a Luz do Luar (2016)

Assim como seu oposto, esse é o ângulo que fica entre dois outros: o lateral e o traseiro. Nele não é possível ver as feições da personagem, mas o caminho à frente ou outras pessoas com as quais ela mantém um diálogo.


E) Ângulo traseiro


Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (2014)

Esse é o caso oposto do ângulo frontal, quando a câmera se localiza diretamente atrás do objeto a ser representado. É muito utilizado no cinema quando se pretende seguir algo ou alguém, mostrando o cenário à sua frente. Assim, ele cria a sensação de que você desbrava a universo junto com a personagem.


Outro ângulo legal de saber!


Dutch Angle


O Regresso (2015)

Nesse caso, os eixos horizontal e vertical não estão mais em paralelo com os cantos do quadro. É o ângulo que talvez mais representa as emoções da personagem ou cena. Quando a história entra em um momento de loucura, psicodelia, tensão ou desequilíbrio, essa costuma ser a escolha.


Um bom exemplo de utilização de ângulos é a filmografia do diretor de fotografia Emmanuel Lubezki.


Além desses, existem outros ângulos, classificações e nomes utilizados na fotografia de projetos audiovisuais e estes são só alguns exemplos de utilização dessa técnica. Usar de forma consciente das escolhas fotográficas de uma produção a tornam mais completa e rica.



Gostou? Conta pra gente nos comentários ou manda uma mensagem pra gente nas nossas redes sociais. E, para começar o ano com o pé direito, se inscreve na nossa newsletter. 2021 promete muito mais conteúdo por aqui!


23 visualizações